41.3618-9330 | 41. 98798-9125 contato@uroville.com.br Segunda à Sexta-feira | 08h às 18h
Rua Dr. Brasilio Vicente de Castro, 111 -Sala 302 - Ecoville | 81200-526 | Curitiba-PR
41.3618-9330 | 41. 98798-9125 contato@uroville.com.br Segunda à Sexta-feira | 08h às 18h
Rua Dr. Brasilio Vicente de Castro, 111 -Sala 302 - Ecoville | 81200-526 | Curitiba-PR

Tratamentos para Hiperplasia Prostática Benigna

Tratamentos para Hiperplasia Prostática Benigna

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO

O tratamento medicamentoso isolado ou a combinação de remédios é a opção para os casos menos intensos e de próstatas menores. Ele normalmente é indicado como tratamento inicial para a grande maioria dos casos. Cada paciente deve ser avaliado individualmente em relação à escolha das terapias medicamentosas.
De maneira geral, as classes de medicamentos dividem-se em 3:

  • Alfa-bloqueadores (doxasozina, tansulozina): Relaxam a musculatura prostática e do colo vesical, facilitando a saída da urina e diminuindo a sensação de urgência miccional. Medicamentos essencialmente sintomáticos, não curam o problema. Efeitos colaterais mais importantes: diminuição importante da ejaculação, hipotensão postural.

 

  • Inibidores da 5-alfa-redutase (finasterida, dutasterida): Agem no metabolismo prostático, indicados para próstatas maiores de 45 gramas, tem potencial de aliviar os sintomas pela diminuição do volume prostático. Efeitos colaterais mais importantes: alguns pacientes podem experienciar queda da libido.

 

  • Antimuscarínicos (solifenacina, mirabegrona): Indicado para pacientes com sintomas de armazenamento (irritativos) que não respondem bem à tansulozina. Efeitos colaterais mais importantes: boca seca, constipação.

TRATAMENTO ENDOUROLÓGICO MINIMAMENTE INVASIVO

Na falha do tratamento medicamentoso ou em casos avançados, o tratamento cirúrgico passa a ser uma opção. Dentro do grande leque de opções cirúrgicas, destaca-se a opção minimamente invasiva de Ressecção Transuretral da Próstata (RTU de Próstata), onde é feita uma “raspagem” do tecido prostático aumentado com a finalidade de desobstruir a uretra. É a opção padrão ouro de tratamento para a HPB.


Esta modalidade de tratamento evoluiu ao longo dos anos e, atualmente, disponibilizamos aos nossos pacientes as seguintes modalidades:

  • HoLEP – Enucleação Transuretral da Próstata a Laser – modalidade minimamente invasiva em que é realizada a retirada do núcleo prostático / zona de transição (área aumentada) através da enucleação a laser. Esta técnica à laser permite grande controle do sangramento e importante retirada de tecido prostático obstrutivo. Através dos equipamentos de vídeo, o núcleo prostático é ressecado e triturado. É um procedimento em que normalmente o paciente fica internado um dia, sendo liberado no dia seguinte sem a sonda urinária. (Saiba mais sobre o HoLEP, clique aqui)

 

  • Plasma Vaporização da Próstata – O Plasma é um estado da matéria criado aplicando energia a um gás, cuja característica é ter alta energia e temperatura em um mínimo espaço e com grande controle, proporcionando o suficiente para a vaporização da próstata de maneira segura. A alta energia em forma de calor penetra apenas 192 micrômetros (1 micrômetro = 1 milésimo de milímetro), proporcionando grande precisão na cirurgia da próstata, menor sangramento e menor tempo de internação. Trata-se da evolução da RTU clássica. O paciente normalmente recebe alta 24hs após o procedimento, comumente sem sonda urinária.(Saiba mais sobre a Plasma Vaporização da Próstata, clique aqui)

 

  • Greenlight Laser Vaporização da Próstata – A vaporização da próstata pode ser realizada através do Laser Greenlight. Esta tecnologia de laser realiza uma ablação / vaporização através da emissão de um feixe de laser esverdeado, que também proporciona um excelente controle de sangramento pós operatório. Por ter esta grande capacidade hemostática, é indicado também (e principalmente) aos pacientes que usam anticoagulantes. Desta maneira, não é necessário interromper a anticoagulação antes do procedimento cirúrgico. O paciente normalmente recebe alta 24hs após o procedimento, comumente sem sonda urinária. 

 

TRATAMENTO CIRÚRGICO MINIMAMENTE INVASIVO

Em casos de próstatas gigantes, a cirurgia aberta foi sempre a abordagem preferencial, com bons resultados. Porém, esta abordagem tem perdido espaço para a prostatectomia transvesical robótica / laparoscópica. (Saiba mais sobre a cirurgia robótica, clique aqui)

Trata-se de uma excelente opção em pacientes com próstatas muito grandes (acima de 120g). Através da cirurgia robótica ou laparoscópica pura, a próstata é enucleada e seu núcleo retirado por inteiro. A abordagem minimamente invasiva proporciona uma rápida recuperação e resultados muito animadores, com os pacientes apresentando alto grau de satisfação miccional após o procedimento.

Independentemente da tática ser escolhida, é imperativo ponderar o tempo do diagnóstico no sucesso da desobstrução prostática. Como a obstrução da uretra acaba sobrecarregando a função da bexiga urinária, o tempo acumulado de hiperplasia sintomática pode desencadear sequelas definitivas na contração da bexiga e incapacidade de recuperar a micção espontânea na sua totalidade. Por isso, é aconselhável que, ao primeiro sintoma urinário de desconforto, o paciente vá ao urologista para uma avaliação.

A dificuldade miccional depois de certa idade não deve ser encarada como uma consequência sem volta do envelhecimento. Dentro do possível, a dificuldade miccional deve ser tratada para evitar perda da qualidade de vida.